Av das Nações Unidas, 12551 - 18º Andar WTC - Brooklin - São Paulo/SP

Princípios de Governança que Toda Holding Familiar Deve Conhecer em 2024

Princípios de Governança que Toda Holding Familiar Deve Conhecer em 2024

Governança em Holding Familiar: Princípios Essenciais de governança para toda holding familiar, e como aplicá-los para o sucesso e sustentabilidade do seu negócio de família.

Introdução
Você já se perguntou como uma holding familiar pode prosperar ao longo das gerações? O segredo está na governança eficaz. Mas, o que realmente significa governança em uma holding familiar? E quais são os princípios que garantem não só o sucesso, mas também a sustentabilidade dessas empresas ao longo do tempo? Este artigo busca desvendar esses mistérios, apresentando de forma clara e objetiva os princípios de governança que toda holding familiar deve conhecer.

Conteúdo

1 O que é Governança em Holding Familiar?
2 Transparência: A Pedra Angular
3 Comunicação Efetiva: Ponte para o Sucesso
4 Liderança e Sucessão: Preparando o Futuro
5 Educação Continuada: Manter-se Atualizado
6 Conflitos de Interesse: Evitando Armadilhas
7 Responsabilidade Fiscal: O Pilar da Sustentabilidade
8 Inovação e Adaptação: Navegando em Águas Turbulentas
9 Participação dos Membros da Família
10 Avaliação de Desempenho e Feedback
11 Responsabilidade Social e Empresarial
12 Estratégias de Investimento
13 A Importância do Conselho Familiar
14 Governança e Legislação: Entendendo as Regras
15 Conclusão: A Jornada da Governança

1. O que é Governança em Holding Familiar?
A governança em uma holding familiar envolve o estabelecimento de estruturas e processos para garantir que a empresa seja gerida de forma eficaz, ética e sustentável. É como se fosse o sistema nervoso da empresa, conectando todas as partes para funcionar em harmonia.

Mais que isso, a governança em uma holding familiar é o conjunto de práticas e políticas adotadas para gerir e controlar uma organização familiar. Ela serve como um mapa, orientando a família na direção correta, garantindo que todos os membros estejam alinhados com os valores, objetivos e estratégias da empresa. Essencialmente, a governança define quem toma as decisões, como são tomadas e como os membros são responsabilizados. É uma estrutura que garante a harmonia entre os interesses da família e os da empresa, evitando conflitos e promovendo a prosperidade a longo prazo.

Neste contexto, a governança em holdings familiares vai além da mera administração empresarial. Ela engloba a gestão de relações familiares, a sucessão e a preservação do patrimônio. Uma boa governança assegura que os processos decisórios sejam transparentes e baseados em critérios objetivos, protegendo a empresa de influências pessoais que possam comprometer seu desempenho. Por exemplo, a escolha de líderes deve ser baseada em competência, não apenas em laços familiares, garantindo que a holding seja liderada por pessoas qualificadas.

Além disso, a governança eficaz em holdings familiares implica no estabelecimento de políticas claras para a distribuição de lucros, reinvestimentos, e responsabilidades de cada membro da família. Essas políticas ajudam a prevenir disputas e garantem que todos os membros estejam na mesma página quanto ao futuro da empresa. Portanto, uma governança sólida é fundamental não apenas para o sucesso do negócio, mas também para a coesão e o bem-estar da família.

2. Transparência: A Pedra Angular
Transparência é a pedra angular na governança de uma holding familiar. Ela é essencial para construir e manter a confiança entre todos os membros da família e stakeholders. Uma abordagem transparente envolve a divulgação clara de informações financeiras, estratégias de negócios e decisões de gestão. Isso significa que todas as ações e decisões devem ser abertas e facilmente acessíveis para os envolvidos, garantindo que não haja espaço para mal-entendidos ou suspeitas de condutas impróprias.

A transparência na holding familiar também se estende à gestão de conflitos. Quando surgem divergências, é crucial que sejam tratadas de maneira aberta e justa, com a comunicação direta e honesta. Isso evita que ressentimentos se acumulem e prejudiquem as relações familiares e os negócios. Por exemplo, em caso de desacordos sobre a direção da empresa, a transparência nas discussões e na tomada de decisão assegura que todos os lados sejam ouvidos e que as decisões sejam tomadas de forma justa e equilibrada.

Ademais, a transparência contribui para a responsabilidade e a prestação de contas. Em uma holding familiar, onde as fronteiras entre propriedade e gestão muitas vezes se confundem, é vital que os responsáveis pelas decisões sejam responsabilizados. Isso significa que deve haver uma clara distinção entre os interesses pessoais e os da empresa, e que os gestores sejam avaliados e recompensados com base no desempenho da empresa, e não por favores familiares ou preferências pessoais.

3. Comunicação Efetiva: Ponte para o Sucesso
A comunicação efetiva é a ponte que une todos os aspectos de uma holding familiar. É através dela que se estabelece um entendimento comum entre os membros da família e os gestores da empresa. Uma comunicação clara e aberta é fundamental para garantir que todos estejam alinhados com os objetivos da holding, compreendam as estratégias adotadas e estejam cientes de quaisquer mudanças ou desafios que a empresa possa enfrentar.

Neste sentido, a comunicação eficaz envolve mais do que simplesmente transmitir informações. Trata-se de um diálogo bidirecional, onde feedbacks são encorajados e valorizados. Por exemplo, reuniões regulares da família e da gestão podem ser uma plataforma para discutir abertamente o desempenho da empresa, abordar preocupações e ideias, e tomar decisões conjuntas. Esse processo de comunicação ajuda a prevenir mal-entendidos e conflitos, promovendo uma cultura de transparência e confiança.

Além disso, a comunicação efetiva também desempenha um papel crucial na gestão de crises. Em tempos de incerteza ou dificuldades, é importante que a comunicação seja rápida, honesta e, acima de tudo, clara. Isso não apenas mantém todos informados sobre a situação, mas também ajuda a unir a família e os funcionários em busca de soluções. Em resumo, uma comunicação eficaz é indispensável para a resiliência e o sucesso contínuo de uma holding familiar.

4. Liderança e Sucessão: Preparando o Futuro
Liderança e planejamento de sucessão são componentes vitais na governança de uma holding familiar. A liderança eficaz é responsável por guiar a empresa através de desafios e oportunidades, mantendo a visão e os valores da família. Uma liderança forte e visionária é como o capitão de um navio, capaz de navegar pelas águas turbulentas do mundo dos negócios, mantendo a empresa no curso certo.

No entanto, a liderança em uma holding familiar não é apenas sobre o presente, mas também sobre o futuro. O planejamento de sucessão garante que haja uma transição suave de poder e responsabilidade de uma geração para a próxima. Este processo deve ser iniciado cedo e envolver uma cuidadosa consideração das habilidades e interesses dos membros da família, bem como as necessidades da empresa. Por exemplo, a preparação de sucessores potenciais através de educação, mentoria e experiência prática é fundamental para garantir que a próxima geração esteja pronta para assumir as rédeas.

Além disso, a liderança na governança de uma holding familiar deve ser flexível e adaptável. O mundo dos negócios está em constante mudança, e a liderança deve ser capaz de se adaptar a novas tendências, tecnologias e mercados. Isso significa estar aberto a novas ideias e abordagens, mesmo que elas venham de fora da família. Em suma, uma liderança eficaz e um planejamento de sucessão cuidadoso são fundamentais para a longevidade e o sucesso de uma holding familiar.

5. Educação Continuada: Manter-se Atualizado
A educação continuada é um pilar fundamental na estrutura de uma holding familiar. Em um mundo de constantes mudanças e avanços tecnológicos, manter-se atualizado não é apenas uma vantagem competitiva, é uma necessidade. A educação continuada abrange desde a atualização sobre as tendências do mercado até o aprofundamento em temas específicos relacionados à gestão empresarial e governança familiar. Por exemplo, programas de educação executiva e cursos de especialização podem fornecer aos membros da família as habilidades e conhecimentos necessários para enfrentar os desafios contemporâneos dos negócios.

Além disso, a educação continuada promove uma cultura de aprendizado e inovação dentro da holding. Ao investir no desenvolvimento pessoal e profissional dos membros da família e colaboradores, a empresa demonstra seu compromisso com a excelência e a adaptação às novas realidades do mercado. Isso pode incluir desde workshops sobre novas tecnologias até seminários sobre liderança e gestão de conflitos, contribuindo para um ambiente empresarial dinâmico e proativo.

A educação continuada também tem um papel crucial na sucessão e na preparação das futuras gerações para assumirem seus papéis na holding. A formação de sucessores não é apenas sobre passar o bastão, mas também sobre equipá-los com as ferramentas e o conhecimento necessários para liderar com eficácia. Portanto, a educação continuada é uma estratégia vital para garantir que a holding familiar permaneça relevante, inovadora e próspera ao longo do tempo.

6. Conflitos de Interesse: Evitando Armadilhas
Conflitos de interesse podem ser uma das maiores armadilhas em uma holding familiar. Eles surgem quando os interesses pessoais de um ou mais membros da família entram em choque com os da empresa. Estes conflitos, se não forem gerenciados de forma eficaz, podem levar a decisões que prejudicam a saúde e a sustentabilidade da holding. Por isso, é crucial estabelecer políticas claras e mecanismos para identificar, divulgar e gerir potenciais conflitos de interesse.

Um passo importante na gestão de conflitos de interesse é a criação de um código de ética ou de conduta, que defina claramente as expectativas em relação à integridade e à tomada de decisão. Por exemplo, pode ser necessário que os membros da família divulguem investimentos pessoais ou relações comerciais que possam influenciar suas decisões na empresa. Além disso, a formação de um conselho independente pode ajudar a garantir que as decisões sejam tomadas com base no melhor interesse da holding, e não de indivíduos específicos.

Outra estratégia eficaz é a separação clara entre a propriedade e a gestão. Em algumas holdings familiares, membros da família podem ter papéis tanto como acionistas quanto como gestores. Nesses casos, é vital estabelecer limites claros e mecanismos de prestação de contas para evitar que decisões sejam influenciadas por interesses pessoais. Em resumo, a gestão eficaz de conflitos de interesse é fundamental para manter a integridade, a confiança e a saúde a longo prazo da holding familiar.

7. Responsabilidade Fiscal: O Pilar da Sustentabilidade
Responsabilidade fiscal é um dos pilares da sustentabilidade de uma holding familiar. Ela envolve a gestão cuidadosa das finanças da empresa, garantindo que todos os compromissos fiscais sejam cumpridos e que a estratégia fiscal esteja alinhada com os objetivos a longo prazo da holding. Uma gestão fiscal responsável não se trata apenas de cumprir com as obrigações legais, mas também de planejar de forma estratégica para otimizar os resultados financeiros e garantir a sustentabilidade financeira da empresa.

Uma das chaves para a responsabilidade fiscal é a transparência e a precisão na contabilidade e nos relatórios financeiros. Isso inclui manter registros detalhados e atualizados, realizar auditorias regulares e garantir que todas as transações sejam feitas de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis. Por exemplo, a adoção de práticas contábeis reconhecidas internacionalmente pode ajudar a garantir que os relatórios financeiros sejam confiáveis e comparáveis.

Além disso, a responsabilidade fiscal também envolve o planejamento estratégico para aproveitar oportunidades fiscais legítimas e reduzir a carga tributária de forma ética e legal. Isso pode incluir estratégias de diversificação de investimentos, planejamento sucessório e reestruturação empresarial. Contudo, é crucial que tais estratégias sejam alinhadas com os valores e objetivos da holding familiar, evitando ações que possam prejudicar a reputação ou a integridade da empresa. Em última análise, uma gestão fiscal responsável e estratégica é essencial para a saúde financeira e a reputação a longo prazo da holding familiar.

8. Inovação e Adaptação: Navegando em Águas Turbulentas
Inovação e adaptação são fundamentais para a sobrevivência e o sucesso de uma holding familiar em um ambiente de negócios em constante mudança. A inovação não se refere apenas à adoção de novas tecnologias, mas também à implementação de novas ideias, processos e estratégias de negócios. É como ajustar as velas de um barco para aproveitar melhor os ventos, ao invés de lutar contra eles. As holdings familiares devem estar atentas às mudanças do mercado e prontas para se adaptar, seja através da diversificação de seus investimentos, da exploração de novos mercados ou da modernização de suas operações.

A capacidade de se adaptar rapidamente às mudanças é um diferencial competitivo significativo. Isso envolve estar aberto a aprender com as experiências, tanto internas quanto externas, e estar disposto a questionar e, se necessário, alterar práticas estabelecidas. Por exemplo, a adaptação pode significar a transição de processos empresariais tradicionais para soluções digitais mais eficientes, ou a reavaliação de produtos e serviços para atender às demandas emergentes do mercado.

Além disso, a inovação em holdings familiares muitas vezes envolve equilibrar a preservação dos valores familiares com a necessidade de modernização. Isso pode ser alcançado através da inclusão de membros da família mais jovens nas decisões estratégicas, aproveitando suas perspectivas frescas e conhecimento das tendências atuais. Assim, a inovação e a adaptação devem ser vistas não como ameaças às tradições familiares, mas como oportunidades para o crescimento e a evolução da holding.

9. Participação dos Membros da Família
A participação ativa dos membros da família na holding é crucial para manter a identidade e os valores familiares dentro da empresa. Cada membro da família traz habilidades, experiências e perspectivas únicas que podem enriquecer a gestão e a estratégia da holding. A participação efetiva pode variar de papéis executivos a posições no conselho, ou até mesmo como acionistas ativos. É importante que esta participação seja estruturada e baseada em competência e interesse genuíno pelos negócios da família, ao invés de ser vista como um direito ou obrigação hereditária.

Estabelecer um processo claro e justo para a entrada de membros da família na empresa é fundamental. Isso inclui critérios claros para avaliação de competências, treinamento adequado e, se necessário, experiência fora da empresa familiar antes de assumir um papel significativo na holding. Por exemplo, os membros da família podem começar em posições de nível inferior, ganhando experiência e conhecimento prático dos negócios antes de avançar para cargos de liderança.

Além disso, a participação dos membros da família deve ser equilibrada com a inclusão de gestores externos e conselheiros independentes. Isso garante que a empresa beneficie de uma diversidade de opiniões e experiências, e que as decisões sejam tomadas com base no melhor interesse da holding, e não apenas em considerações familiares. Assim, a participação dos membros da família deve ser gerida de forma a fortalecer e não enfraquecer a governança e o desempenho da holding.

10. Avaliação de Desempenho e Feedback
A avaliação de desempenho e o feedback são essenciais para garantir que a holding familiar esteja no caminho certo para alcançar seus objetivos. Essas avaliações devem ser sistemáticas, objetivas e baseadas em critérios claros e mensuráveis. Elas servem não apenas para avaliar o desempenho individual e da equipe, mas também para identificar áreas de melhoria e oportunidades de desenvolvimento. Por exemplo, avaliações regulares podem ajudar a identificar necessidades de treinamento, ajustes na estratégia ou mudanças na alocação de recursos.

O feedback, tanto positivo quanto construtivo, é uma ferramenta poderosa para o desenvolvimento pessoal e organizacional. Ele deve ser fornecido de forma honesta, respeitosa e oportuna, promovendo um ambiente de aprendizado contínuo e melhoria. Em holdings familiares, é particularmente importante que o feedback seja desvinculado de relações familiares e baseado estritamente no desempenho e contribuição para a empresa.

Além disso, a avaliação de desempenho e o feedback devem ser vistos como um processo bidirecional. Gestores e colaboradores, membros da família e não familiares, devem ter a oportunidade de expressar suas opiniões e percepções. Isso cria um diálogo aberto e contribui para um ambiente de trabalho mais colaborativo e eficiente. Portanto, avaliações regulares e feedback eficaz são ferramentas indispensáveis para a governança e o sucesso contínuo de uma holding familiar.

11. Responsabilidade Social e Empresarial
A responsabilidade social e empresarial é um aspecto crucial para as holdings familiares, refletindo não apenas a sua ética de negócios, mas também o seu legado para as futuras gerações. Holdings familiares, muitas vezes vistas como pilares da comunidade, têm o poder e a responsabilidade de impactar positivamente a sociedade. Isso pode ser alcançado através de práticas empresariais sustentáveis, investimentos em projetos comunitários, ou iniciativas de filantropia. Por exemplo, adotar práticas sustentáveis em operações diárias ou apoiar projetos locais de educação e saúde pode reforçar a imagem da holding e fortalecer sua conexão com a comunidade.

Além disso, a responsabilidade social corporativa (RSC) em holdings familiares é uma oportunidade de alinhar os valores da família com os da empresa. Isso cria um senso de propósito e orgulho entre os membros da família e colaboradores, fortalecendo a cultura empresarial e a identidade da holding. Por exemplo, uma holding familiar que valoriza a educação pode dedicar recursos significativos a bolsas de estudo ou programas de desenvolvimento educacional, refletindo seus valores na sua estratégia de RSC.

A RSC também é uma ferramenta estratégica para o posicionamento da marca e a diferenciação no mercado. Holdings familiares com fortes iniciativas de RSC podem atrair clientes, parceiros e talentos que compartilham dos mesmos valores e compromissos sociais. Assim, a responsabilidade social e empresarial é fundamental não apenas por seu impacto positivo na sociedade, mas também como um elemento chave na estratégia e sucesso a longo prazo da holding.

12. Estratégias de Investimento
As estratégias de investimento em holdings familiares devem ser cuidadosamente planejadas e alinhadas com os objetivos de longo prazo da família e da empresa. Isso envolve não apenas a diversificação dos investimentos para mitigar riscos, mas também o foco em oportunidades que reflitam os valores e a visão da holding. Por exemplo, investir em setores emergentes ou inovadores pode não apenas gerar retornos financeiros, mas também posicionar a holding na vanguarda de desenvolvimentos de mercado.

É crucial que as estratégias de investimento sejam baseadas em análises cuidadosas e conselhos de especialistas. Isso inclui a avaliação contínua do ambiente de mercado, tendências futuras e potenciais riscos. Além disso, as decisões de investimento devem ser tomadas de forma coletiva e democrática, envolvendo todos os membros relevantes da família e garantindo que todas as vozes sejam ouvidas.

Além disso, as holdings familiares devem considerar o impacto de longo prazo de suas decisões de investimento, não apenas em termos financeiros, mas também em relação ao legado da família e à sua reputação. Investimentos responsáveis e éticos podem reforçar os valores da holding e garantir sua sustentabilidade ao longo das gerações. Portanto, uma estratégia de investimento bem elaborada é essencial para o crescimento e a prosperidade contínua da holding familiar.

13. A Importância do Conselho Familiar
O conselho familiar desempenha um papel vital na governança de uma holding familiar. Ele serve como um fórum para a discussão de estratégias, políticas e questões cruciais que afetam a família e a empresa. A formação de um conselho familiar, composto por membros da família e, idealmente, conselheiros externos, ajuda a garantir que as decisões sejam tomadas de forma equilibrada e considerada. Por exemplo, o conselho pode mediar disputas familiares, oferecer orientação estratégica e supervisionar a implementação de políticas de governança.

Um conselho familiar eficaz deve ser diversificado, incluindo membros com diferentes habilidades, experiências e perspectivas. Isso enriquece o processo de tomada de decisão e garante que várias áreas de interesse sejam abordadas. Além disso, a inclusão de conselheiros independentes pode trazer uma visão imparcial e profissional, auxiliando na tomada de decisões mais objetivas.

O conselho também tem a responsabilidade de supervisionar a sucessão e o desenvolvimento da próxima geração. Isso inclui o planejamento da transição de liderança, a preparação dos sucessores e a garantia de que a visão e os valores da família sejam mantidos. Em resumo, o conselho familiar é essencial para manter a harmonia, a eficácia e a visão de longo prazo da holding familiar.

14. Governança e Legislação: Entendendo as Regras
A compreensão e a conformidade com a legislação são fundamentais para a governança eficaz de uma holding familiar. O ambiente legal em que as holdings operam pode ser complexo, envolvendo leis fiscais, corporativas, de sucessão e outras regulamentações específicas. Uma compreensão profunda dessas leis não só garante a conformidade legal e a minimização de riscos, mas também proporciona oportunidades para otimizar a estrutura e as operações da holding. Por exemplo, estar atualizado sobre mudanças na legislação tributária pode ajudar a holding a aproveitar benefícios fiscais e evitar penalidades.

Além disso, a governança em conformidade com a legislação reforça a credibilidade e a legitimidade da holding perante acionistas, investidores e outros stakeholders. Isso envolve a implementação de políticas e procedimentos que garantam a transparência, a prestação de contas e a ética nos negócios. Por exemplo, a adoção de práticas de governança corporativa reconhecidas, como auditorias regulares e relatórios financeiros transparentes, pode aumentar a confiança dos stakeholders na gestão da holding.

A legislação também desempenha um papel crucial no planejamento da sucessão e na transferência de patrimônio. Entender as leis de herança e sucessão ajuda a holding a planejar a transferência de ativos e a liderança de maneira eficiente e harmoniosa. Isso pode incluir a criação de estruturas legais, como fundos familiares ou trusts, para gerir a transferência de patrimônio e assegurar a continuidade dos negócios. Portanto, a compreensão e a conformidade com a legislação são essenciais para a governança eficaz e o sucesso sustentável da holding familiar.

15. Conclusão: A Jornada da Governança
A jornada da governança em uma holding familiar é um processo contínuo e dinâmico, essencial para o sucesso e a sustentabilidade da empresa ao longo das gerações. Os princípios de governança abordados neste artigo — desde a importância da transparência e comunicação eficaz até a gestão de investimentos e a conformidade com a legislação — formam a espinha dorsal de uma holding familiar robusta e resiliente. Eles garantem que a holding não apenas prospere no presente, mas também construa um legado duradouro para o futuro.

É importante lembrar que cada holding familiar é única, com suas próprias dinâmicas, desafios e oportunidades. Portanto, a abordagem da governança deve ser personalizada para atender às necessidades específicas da holding e da família. Isso pode envolver a adaptação de práticas de governança padrão para se adequar à cultura e aos objetivos da família, mantendo sempre a flexibilidade para evoluir com as mudanças nas circunstâncias e no ambiente de negócios.

Em última análise, a governança eficaz em holdings familiares é sobre equilibrar os interesses da família e da empresa, garantindo a harmonia entre os membros da família e promovendo um crescimento sustentável e responsável. É uma jornada que requer compromisso, dedicação e, acima de tudo, uma visão clara dos valores e objetivos da família. Com esses princípios em mente, as holdings familiares podem não apenas sobreviver, mas prosperar através das gerações, deixando um legado de sucesso e integridade.

Perguntas Frequentes
1. Como a transparência afeta a confiança entre os membros de uma holding familiar?
A transparência é a base para construir e manter a confiança entre todos os membros e stakeholders de uma holding familiar. Quando as informações são compartilhadas aberta e honestamente, cria-se um ambiente de confiança mútua, o que é essencial para a tomada de decisões coletivas e para a manutenção de relações saudáveis. A transparência assegura que todos os membros estejam informados sobre o estado da holding, suas finanças, desafios e sucessos, evitando surpresas e mal-entendidos que podem levar a conflitos.

2. Qual a importância da comunicação efetiva na gestão de conflitos em holdings familiares?
A comunicação efetiva é crucial na gestão de conflitos em holdings familiares. Ela permite que diferentes pontos de vista sejam expressos e considerados, facilitando a compreensão mútua e a busca por soluções consensuais. Uma comunicação clara pode prevenir mal-entendidos e garantir que todos os membros da família se sintam ouvidos e valorizados, o que é fundamental para resolver conflitos de forma construtiva e manter a harmonia familiar.

3. Por que é importante para membros da família ter experiência fora da holding familiar antes de assumirem posições de liderança?
Ter experiência fora da holding familiar antes de assumir posições de liderança é importante por várias razões. Primeiramente, oferece aos membros da família a oportunidade de desenvolver habilidades e conhecimentos em um ambiente diferente, o que pode trazer novas perspectivas para a holding. Além disso, ajuda a estabelecer credibilidade e respeito, mostrando que eles são qualificados e capazes, não apenas por serem membros da família, mas por suas próprias competências e experiências.

4. Como as estratégias de investimento podem alinhar-se aos valores e visões da holding familiar?
As estratégias de investimento podem e devem refletir os valores e a visão da holding familiar. Isso significa escolher investimentos que não apenas ofereçam bons retornos financeiros, mas também estejam alinhados com os princípios éticos e as metas de longo prazo da família. Por exemplo, uma holding que valoriza a sustentabilidade pode optar por investir em empresas verdes ou em tecnologias sustentáveis. Alinhar as estratégias de investimento com os valores familiares fortalece a identidade da holding e reafirma seu compromisso com esses valores.

5. Qual o papel do conselho familiar na promoção da governança eficaz?
O conselho familiar desempenha um papel central na promoção da governança eficaz em uma holding familiar. Ele atua como um órgão de supervisão que garante que as estratégias e políticas da holding estejam alinhadas com os objetivos e valores da família. O conselho também é responsável por mediar disputas, planejar a sucessão e orientar o desenvolvimento da próxima geração de líderes. Além disso, pode incluir membros externos, trazendo uma perspectiva imparcial e profissional para a tomada de decisões.

Compartilhe seu amor

Atualizações da newsletter

Enter your email address below and subscribe to our newsletter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estamos aqui para te ajudar no que precisar, faça a sua pergunta aqui: