Av das Nações Unidas, 12551 - 18º Andar WTC - Brooklin - São Paulo/SP

3 Erros Graves da Constituição de uma Holding Patrimonial

Uma Perspectiva Aprofundada sobre a Holding Patrimonial no Brasil

Estruturar patrimônio por meio da criação de uma holding patrimonial tem sido um dos métodos mais empregados no Brasil, visando proteger ativos, otimizar o regime tributário e, de forma mais ágil, organizar a sucessão familiar, o que por consequência, implica em isenção de processos de inventário e redução de custos relacionados ao ITCMD.

Quando essa estruturação é realizada com excelência, é possível observar, ao longo da vida, uma economia tributária substancial, chegando até a metade do que uma pessoa pagaria em impostos enquanto pessoa física. Ademais, este método oferece uma barreira protetiva ao patrimônio e facilita a transição de bens no contexto de sucessões familiares, evitando cargas tributárias adicionais.

Considerando o cenário brasileiro, onde temos mais de 120 mil holdings em funcionamento, fica evidente a popularidade e confiança neste modelo de gestão patrimonial. Entretanto, uma observação mais cautelosa revela um panorama preocupante: cerca de 90 mil destas estruturas não atendem plenamente às necessidades de seus proprietários, seja por ausência de proteção, complexidade na sucessão ou incidência de impostos não planejados.

Este descompasso ocorre frequentemente porque essas empresas não foram estruturadas de forma adequada desde o início. Consequentemente, acabam enfrentando processos de inventário, encargos adicionais, e a subsequente obrigação de pagamento do ITCMD por parte dos herdeiros, após a morte dos principais detentores do patrimônio.

Para evitar essas armadilhas, é crucial estar ciente dos equívocos mais comuns na formação de holdings patrimoniais, muitas vezes perpetuados por profissionais sem a profundidade requerida no tema. A abordagem correta demanda uma compreensão refinada em múltiplas áreas jurídicas, incluindo Direito Tributário, Familiar, Imobiliário e Societário. Além disso, é imperativo possuir experiência com trâmites em juntas comerciais e até mesmo com holdings estrangeiras, visando a máxima eficiência.

Desmistificando a Holding Patrimonial

A origem da palavra “holding” deriva do verbo inglês “to hold”, que pode ser traduzido como “manter” ou “possuir”. Historicamente, a ideia era centralizar a administração de várias empresas, sem que houvesse a necessidade de ser o proprietário direto de cada uma. O benefício central estava em simplificar o controle e gestão, enquanto se limitava a responsabilidade dos sócios diretos.

No contexto contemporâneo, a função da holding expandiu-se para além da administração de empresas. Agora, serve também como instrumento de consolidação patrimonial, otimização fiscal, facilitação na transição de bens e como uma ferramenta de estratégia em negócios globais.

No Brasil, a figura da holding foi oficialmente introduzida em dezembro de 1976, por meio da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76). Desde então, tem sido um mecanismo valioso para grandes empresas, como os bancos, na reestruturação de seus ativos e proteção dos interesses de seus acionistas.

Recentemente, com o auxílio de contadores e advogados, indivíduos têm empregado a estrutura da holding para administrar bens pessoais ou familiares, muitas vezes sem pleno entendimento de sua capacidade e limitações.

Erros Comuns e Como Evitá-los

  1. Holding como Eireli: A tentativa de abrir uma holding sob o formato de EIRELI é um equívoco monumental. Isso ocorre porque a EIRELI é configurada para ter um único proprietário e, por natureza, não pode ser transferida. No falecimento do titular, a empresa é encerrada, levando à necessidade de um processo de inventário.

  2. Holding como LTDA: A configuração da holding como LTDA é também problemática. O Código Civil, que rege as LTDA, tem implicações específicas sobre a morte de sócios que podem complicar a transferência de cotas e ativos, levando a custos adicionais e burocracia.

  3. Falta de Blindagem na LTDA: A holding patrimonial LTDA não oferece a proteção adequada contra ações judiciais. Se um dos sócios for processado, suas cotas poderão ser penhoradas, expondo o patrimônio.

Conclusão

O uso estratégico de holdings patrimoniais é uma ferramenta poderosa. No entanto, seu sucesso depende de uma compreensão profunda de suas implicações legais e fiscais. Para garantir que sua holding opere eficazmente, proteja seus ativos e minimize sua carga tributária, busque orientação de especialistas no assunto. Assim, você poderá garantir a tranquilidade e a eficiência que essa estrutura promete oferecer.

Compartilhe seu amor

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *